Canal Sleg

[Youtube][grids]

Lançamento: Homens Imprudentemente Poéticos - Valter Hugo Mãe


A editora Biblioteca Azul lança em novembro Homens Imprudentemente Poéticos, de Valter Hugo Mãe. Confira a sinopse:


“Grande voz da literatura portuguesa contemporânea, Valter Hugo Mãe lança "Homens imprudentemente poéticos", obra ambientada no Japão antigo e na qual o autor proporciona uma imersão idílica na cultura milenar japonesa. Com sua habitual escrita poética e desconcertante, Mãe traz à tona os temas da morte e do suicídio, em um contexto em que este ato possui um ponto de vista distinto ao do ocidente. Segundo o autor, no Japão, “um suicida não é visto como um fraco ou desistente, é visto como alguém que entendeu sua existência e se sente preparado para se entregar à natureza”. Mãe situa seus personagens em uma aldeia no sopé do monte Fuji, próximo da região conhecida como a Floresta dos Suicidas, lugar que visitou enquanto escrevia a história. Os vizinhos, o artesão Itaro, que está em fase de preparação para a morte, e o oleiro Saburo são inimigos, mas devido às circunstâncias da vida, relativizam a discórdia e se opõem com cordialidade. De acordo com o escritor e jornalista Laurentino Gomes no prefácio do livro, “o mesmo olhar microscópico sobre a aldeia japonesa confere ao livro o tom de obra universal, de conteúdo profundamente humano, cujo enredo diz respeito a cada uma dos sete bilhões de pessoas que hoje habitam o planeta”. Tal como em seu romance "A desumanização", que teve a Islândia como cenário, Mãe escolhe um lugar longínquo para retratar a história, levando o leitor ao Japão profundo, um  ambiente sagrado que partilha o mesmo universo das fatalidades e da miséria. Diante das dificuldades e conscientes do valor da natureza exuberante que os cerca, os personagens passam a valorizar as pequenas alegrias do cotidiano e a espera da morte. A morte também está no próprio modo do autor tecer sua literatura e não apenas nos enredos de suas histórias. "Homens imprudentemente poéticos" nasce da necessidade de retornar a um momento de descoberta, como se estivesse escrevendo seu primeiro livro. Mudou, então, seu processo de escrita – em vez de corrigir e retocar o texto, ele escolheu reescreevê-lo. “É como se eu escrevesse vários livros ao mesmo tempo. Nunca se esgota o livro”, afirma.”

Até mais! Fabi

17 novembro 2016 
Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :


Resenhas

[Resenhas][threecolumns]

Lançamentos de Livros

[Dicas][twocolumns]